Fonte Nova: recursos continuam bloqueados

As obras da Fonte Nova, estádio da Copa em Salvador, tiveram o financiamento do BNDES bloqueado pelo Tribunal de Contas do Estado (TCE) pela falta de projetos detalhados. Mesmo assim, o avanço da construção é perceptível, com os pilares estruturais começando a surgir.

Segundo informações de José Luiz Góes, diretor de engenharia do Consórcio Fonte Nova Negócios e Participações (FNP), responsável pelo projeto, 18% da construção está pronta. Isso graças ao financiamento de R$ 50 milhões da Desenbahia e a recursos da OAS e da Odebrecht, acionistas da FNP.

Nos bastidores do governo, no entanto, teme-se que as obras parem a qualquer momento e o prazo de entrega do equipamento – dezembro de 2012 – não seja cumprido. Isso, por falta da liberação do repasse de R$ 323 milhões financiados pelo BNDES para o consórcio.

“Trabalhamos com a perspectiva de viabilização do fluxo financeiro em curto prazo, tanto dos acionistas quanto dos bancos de financiamento, de forma a assegurar a continuidade do cronograma de obras”, declarou Góes.

Como o governo baiano não entregou o projeto executivo da Fonte Nova, o TCE contingenciou os recursos. Além disso, o custo da obra, até então orçado em R$ 591,7 milhões, pode chegar a R$ 835 milhões, segundo análise da Controladoria Geral da União (CGU).

A discrepância de valores também é criticada pelo TCE e só poderá ser confirmada com a apresentação das pranchas completas da obra.

Segundo Góes, o projeto executivo sofreu atualizações ao longo da obra. “Isso é normal num projeto com as características da Arena Fonte Nova, que é constantemente atualizado para o cumprimento das exigências da Fifa. Além disso, o contrato de parceria público-privada permite que seja feito assim.”

A previsão é que o BNDES se posicione nesta terça-feira quanto à liberação do financiamento. Mesmo sem acesso ao projeto executivo, o TCE autorizou em maio a liberação de R$ 64 milhões, mas o repasse ainda não foi feito.

Andamento das obras
Enquanto aguarda a liberação dos recursos, as obras continuam. A demolição e 95% da terraplenagem foram concluídas. Se as empresas cumprirem o cronograma e os recursos forem liberados, a expectativa é de que o avanço físico da obra chegue a 43% até o final do ano.

“Entramos na reta final das fundações, com a cravação de estacas, execução dos blocos de coroamento das mesmas e execução das sapatas de fundação do setor Norte”, diz Góes.

Seguindo o calendário da obra, as próximas fases são a montagem dos pilares, vigas e lajes pré-moldadas, assim como a estrutura de concreto que precisará ser moldada in loco. “O concreto é produzido em uma fábrica montada no próprio canteiro e passa por um teste de resistência”, explica Góes.

O canteiro de obras da arena conta hoje com 750 trabalhadores. São 200 equipamentos em operação, entre eles nove bate-estacas, quatro gruas, três guindastes de alta capacidade e uma central de dosagem de concreto.

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em notícias Salvador

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s